Receita para fazer um bom rap

. domingo, 12 de abril de 2009
  • Agregar a Technorati
  • Agregar a Del.icio.us
  • Agregar a DiggIt!
  • Agregar a Yahoo!
  • Agregar a Google
  • Agregar a Meneame
  • Agregar a Furl
  • Agregar a Reddit
  • Agregar a Magnolia
  • Agregar a Blinklist
  • Agregar a Blogmarks

1° Roubando bases. Sabe aqueles Raps antigos do NWA, Snoop Dogg, Bone Thugs e similares ? Então, pegue o que tiver a batida mais lenta e roube-a pra você (só a batida. o Flow, jamais). Fazendo isso, tente usar uma voz mais depressiva o possível. Lenta e depressiva. Se der para botar um piano ao fundo melhor ainda. Fale triste e lentamente como se você estivesse acabado de acordar. Um bolero eletrônico...

2° Diga que a periferia é um lugar lindo com gente legal e divertida e que todo fã de Rap é sangue-bom. E que o único problema de lá é a polícia matando moradores. (Não se preocupe, eles acreditarão).

3° Classe-média, O Grande Satã. Rico com carro é ostentador que merece ser roubado. Pobre com carro é batalhador que merece ser elogiado.

4° Use e abuse das contradições nas suas músicas. Coloque até duas em uma mesma letra. Como por exemplo em um momento aparecer criticando os policiais fascistas e sanguinários que matam inocentes para na próxima estrófe aparecer sugerindo uma pena bem pior para quem cagueta ou "dá mole na quebrada".


5° Procure desqualificar toda fonte de informação que não seja o Rap (o seu, claro). Desnorteie o coitado. critique impiedosamente jornais, revistas, partidos políticos, Ongs etc.


6° Tudo que não for feito na periferia e pra periferia não merece respeito. Todos os artistas que tocarem seus projetos sem serem populistas e/ou sem exaltarem uma favela também não merecem. Faça seus fãs esquecerem tudo que já foi feito no Brasil sem um pobre ou um negro incluído.

7° Jamais saia dos anos 90. Não tenha dó de usar os velhos clichês esquerdistas a toda hora. Use e abuse . Critique o Governo, o sistema, os EUA, o FMI, a Coca-cola, o Mac-Donalds etc. Defenda a Al-Qaeda, as Farc, o PCC, o EZLN, O MST. Tente sempre ver o lado ideológico dessas organizações. Todas elas um dia derrubarão o capitalismo tornando nosso Brasil

8° Tenha sempre algumas frases de efeito para os "manos" postarem em seus MSN's e Orkuts. Tais como: "Gerreiro de fé nunca gela". "A vida é louca, nego. E nela eu tô de passagem." "Não joga pérola aos porcos, eles preferem lavagem." Não interessa se elas se parecerem muito com auto-ajuda barata de livro pra adolescentes com depressão. Afinal é só você que eles escutam.

9° Fale sobre o crime. Critique duramente a violência, a banalização da morte e o tráfico de animais. Mas faça isso de modo a excercer um fascínio sobre os mesmos. De modo que o cara que ouve se orgulhe de morar aonde "o bicho pega".

10° Deixe subentendido que faculdade é coisa de playboy. Afinal de contas se o cara virar "doutor" ele passa a ser "robozinho do sistema". Mas faça de modo sutil.

11° Coisas que rimam e que devem ser incluídas em suas letras. Cocaína com esquina. Favela com Sequela. Crack com Baque. Matemática com Prática. Fuzil com Brasil. Periferia com Seria. Inteiro com Puteiro.

12° Fazendo seu clipe. Essa é a parte mais difícil. Você terá que tentar ser lento, depressivo, melancólico, irritante e desestimulante ao mesmo tempo. E tudo isso em 5 minutos. Primeiro, Filme um esgoto ou um cachorro revirando lixo e deixe focado durante uns 6 segundos. Coloque uma introdução de mais ou menos 2 minutos totalmente desnecessária ou constrangedora como aqueles diálogos do "Aconteceu comigo" do GUGU. O resto é você cantando, o cachorro revirando lixo, o esgoto correndo livremente, um barraco caindo, você cantando etc etc etc. Trema bastante a câmera, pra parecer que é difícil filmar num lugar desses.

2 comentários:

Marcelo disse...

Prezado, você é irritantemente engraçado, verdadeiro e rancoroso ao mesmo tempo.

"contra a correnteza" é o site 1º na minha opinião em toda a rede.

Me passa seu email, tenho um projeto que pode lhe interessar.

Abraço
Marcelo Guerra

mvsmotta disse...

marcus@marcusvinicius.org

um abraço!